Header Ads

  • Últimas

    Não sei mais o que eu faço com este menino!


    Em toda a minha carreira de 18 anos na Educação, esta é uma das frases que eu mais ouvi: “Não sei mais o que eu faço com este menino”. Você pensa: “deve ser um adolescente de 17 anos, que já aprontou todas”. Aí vem o susto: o tal “menino”, é uma criança de 1, 2 anos! E os pais já não sabem o que fazer com ele!

    A verdade é que os pais encontram-se cada dia mais fragilizados e sem saber o que fazer para educar seus filhos, talvez porque sejam a última geração de filhos que obedeceram a seus pais, tornando-se também a primeira geração de pais que, covardemente, obedecem a seus filhos.

    Seja por preguiça ou por falta de conhecimento (nunca por má fé, acredito eu), os pais estão abrindo mão de exercer o papel que lhes compete na educação de suas crianças, comprometendo seriamente o desenvolvimento psicológico de seus filhos que esperam, sequiosos, por um adulto competente que os direcione nos caminhos da vida.


    E já que a frase é “não sei o que eu faço...”, trouxe 5 dicas para que vocês, pais, recuperem o seu lugar único e exclusivo, pois acredito muito no poder do conhecimento para despertar a transformação nas nossas ações diárias.

    1ª – “Reintegração de posse afetiva”: expressão utilizada pelo psicólogo Rossandro Klinjey, para dizer da necessidade que os pais têm de reassumir a sua posição hierárquica na relação. Pegue de volta o seu lugar e assuma o controle da situação;

    2ª – Repita a norma até a exaustão: educação é o conjunto de hábitos adquiridos. E construir hábitos não é tarefa fácil. Exige repetição. E repetição cansa. E cansados abrimos mão. Não desista! Repita as regras até que haja interiorização. Como quando falamos com nossas crianças para calçar o chinelo ou escovar os dentes;

    3ª – “Vou dar tudo que não tive para meu filho!”: cuidado! Foram exatamente as frustrações que precisamos vivenciar que nos formaram com o caráter de hoje. Dê ao seu filho o suficiente para que ele cresça saudável e feliz, mas não dê tudo. Assim, ele reconhecerá o valor das coisas;

    4ª – Dê uma base sólida à criança: se o alicerce de conhecimentos e valores que damos aos nosso filhos é firme e seguro, quando os conflitos começarem a surgir na vida deles, eles terão uma base sólida onde se apoiar e se equilibrarão.

    5ª – Apresente a frustração: há um conceito na psicopedagogia chamado de frustração ótima, que é a frustração apresentada pelo amor da família. Se os nãos começarem a ser recebidos do pai e da mãe, as estruturas emocionais e psicológicas estarão fortalecidas para as frustrações que surgirem ao longo da vida. Pode ser que haja guerra no exercício dessa dicas; mas é melhor que ela aconteça
    entre os que se amam.



    Para agendar palestras com Roberta Melo sobre este tema, entre em contato através do email: conheceredespertar@gmail.com.

    Mais serviços do bem no Conhecer e Despertar para você:
    - Coach de Desenvolvimento Integral;
    - Psicoterapia Floral;
    - Reiki;
    - Psicopedagogia para crianças e adolescentes, adultos e idosos;
    - Terapia de grupo para pais.

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine