Header Ads

  • Breaking News

    Policial civil mata três pessoas e atira contra a Própria cabeça em Santa Luzia


    O policial Civil Paulo José Oliveira 40, lotado na Delegacia de Taiobeiras invadiu uma residência na Rua Sebastião Fernandes no Bairro Monte Carlo em Santa Luzia e atitou contra Luciana Carolina de 40, Nathalia Petrolino 19, Victoria Petrolino de 16. Luciana foi assassinada assim como as duas filhas. O Atual companheiro de Luciana e uma terceira vítima conseguiram escapar. Após atirar contra a ex mulher, Paulo atirou contra a própria cabeça. Acabou levado para o Hospital João XXIII e morreu no local há cerca de 2 horas. Luciana e as filhas morreram na hora.

    A MATÉRIA COMPLETA OUÇA HOJE AO MEIO DIA E ÀS 20:00 NO JORNAL DO VITRINE NA RÁDIO VITRINE. 
    Para Acessar a Rádio clique no LINK AQUI

    JOVENS VITIMAS:





    Policial acusado de estupro mata duas vítimas e mãe delas em Santa Luzia

    No ano passado, ele teria sido preso por abusar sexualmente de duas das vítimas; assassinatos seriam vingança
    Um policial civil de 40 anos invadiu uma casa, na madrugada desta terça-feira (15), e matou uma mulher e duas filhas dela em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte. Em data anterior, o homem teria abusado sexualmente de duas das vítimas, de 15 e 18 anos.
    Segundo informação da polícia, o companheiro de Luciana Carolina Petronilho, de 40 anos, contou que a família estava dormindo quando Paulo José Oliveira, também de 40, arrombou o portão e ordenou que ele e a filha mais velha de Luciana saíssem.
    Em seguida, ele foi em direção à Luciana e as filhas dela, Nathalia Diovana Petronilho, de 18, e Victoria Regina Graciano Petronilho, de 15, e atirou contra as elas.
    Logo depois, o policial atirou contra a própria cabeça. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.
    Ainda segundo o companheiro de Luciana, a motivação do crime seria a condenação de Paulo pelo crime de estupro,contra as vítimas Nathalia e Victoria em data anterior. Os abusos teriam acontecido em 2017.
    Os quatro corpos estão no Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte
    Fonte: O Tempo

    Nenhum comentário

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad