Header Ads

  • Últimas

    Paquera no Whatsapp leva a convite de prostituição


    Mulheres receberam proposta para programa em área nobre.

    Que tal ganhar até R$ 1.600 em apenas 45 minutos? A proposta seria tentadora se não viesse de um cafetão virtual que vem utilizando aplicativos de paquera para atrair mulheres bonitas e de corpos sensuais para encontros amorosos com homens endinheirados. A casa que promove os encontros, segundo as mensagens enviadas para as mulheres, funciona há pouco mais de cinco anos no bairro Belvedere, um dos pontos mais nobres da região Centro-Sul de Belo Horizonte.

    A reportagem entrou em contato com algumas das vítimas e confirmou as histórias de assédio. A primeira abordagem, contam as mulheres, é feita por uma pessoa que ora se identifica como Rodrigo, ora se apresenta como Felipe, e também diz se chamar Matheus. Ele pede o telefone da mulher e, depois, uma pessoa que se identifica como Cátia e que seria gerente da casa de prostituição passa a enviar os convites pelo WhatsApp.

    “Atualmente, 19 meninas trabalham conosco e temos 92 clientes ativos, ou seja, clientes que nos pedem encontros  diariamente”, diz uma das mensagens da suposta gerente. “Esses clientes são homens casados, com idades entre 34 e 48 anos. Homens discretos e de alto poder aquisitivo”, completa.

    Uma fisioterapeuta de 32 anos, que aceitou falar com a reportagem, conta que conheceu o homem do aplicativo e que ele se identificou como Rodrigo. “Muito bonito, por sinal”, comentou ela. Quando a conversa passou para o WhatsApp, o homem passou a se identificar como Felipe. Dois dias depois, a fisioterapeuta recebeu a proposta de fazer os programas sexuais. “Eu me senti muito ofendida. Respondi ‘não, obrigada” e bloqueei o número”, disse ela. Depois do susto, a mulher parou de usar aplicativos de namoro. “A gente não sabe a intenção das pessoas”, diz a fisioterapeuta.

    “Eles perguntam detalhes bem íntimos da gente. A mensagem deixa claro que os programas variam de R$ 800 a R$ 1.600”, completa uma universitária de 26 anos que também recebeu a proposta. “Eles usam o termo ‘acompanhante de luxo’ e chegam a oferecer bolsa de estudo”, diz.

    Tabela. Segundo a denúncia, o valor do pagamento feito pela casa de prostituição varia de acordo com as características físicas da mulher e do que ela estaria disposta a fazer nos encontros.

    Polícia Civil vai investigar denúncias

    O chefe da Divisão Especializada em Investigação de Fraudes, delegado Rodrigo Bustamante, abriu investigação preliminar para apurar a denúncia e localizar a suposta casa de prostituição.

    Segundo ele, os responsáveis poderão responder por crimes como manter, por conta própria ou de terceiro, estabelecimento em que ocorra exploração sexual com intuito de lucro, e também por rufianismo, que é tirar proveito da prostituição alheia, participando dos lucros.

    Fonte: O Tempo

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Post Top Ad

    ads

    Post Bottom Ad

    Info Drive