Header Ads

  • Últimas

    Caminhoneiros avisaram o Governo que iria parar o país, pediram uma reunião e foram ignorados


    O GOVERNO FEDERAL sabia desde a quarta-feira da semana passada que os caminhoneiros iniciariam um movimento grevista em todo o Brasil. É o que mostra um ofício assinado pela Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, principal interlocutora dos grevistas com o Planalto. No documento, protocolado junto ao governo no dia 16 de maio, a CNTA pede uma audiência com a Presidência da República “em caráter emergencial” para tratar das pautas da categoria, sobretudo em relação ao preço do óleo diesel. E ameaça, caso não seja atendida, realizar “manifestações que podem se espalhar por todo o país, inclusive com data anunciada já para o próximo dia 21 de maio”.

    O pedido de reunião emergencial dormiu nos escaninhos de Brasília. A assessoria de imprensa da CNTA disse que não recebeu resposta do governo. Ignorados, os caminhoneiros começaram a parar na data prometida.

    O ofício foi dirigido ao presidente Michel Temer e aos ministros da Casa Civil, da Secretaria de Governo da Presidência, da Secretaria-Geral da Presidência, do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, do Ministério da Justiça e do Ministério do Trabalho. O documento foi carimbado pela Presidência da República com data do dia 15 de maio, errada, segundo a CNTA. Tentamos contato com todos os órgãos. Até agora, não obtivemos retornos.

    A confederação pontua, no ofício, que a categoria vem sendo afligida “especialmente pelos sucessivos aumentos do preço do óleo diesel, pelo baixo valor dos fretes e pela insistente cobrança de pedágio sobre eixo suspenso”. Em sucessivos pronunciamentos entre a noite de ontem e esta sexta-feira, membros do alto escalão do governo ressaltaram que esses pontos foram negociados com a CNTA em troca da promessa do fim da greve.

    No documento, a confederação ainda compara o momento atual a 2015, quando uma greve – que começou no dia 18 de fevereiro e durou cerca de duas semanas – parou estradas e causou problemas no abastecimento de gasolina e alimentos. A pauta central era a mesma: redução no preço do diesel. A CNTA diz ainda ter coletado informações em “120 sindicatos e postos de atendimento por todo o país” sobre os principais problemas da categoria que, se negociados, podem “evitar o desgaste sofrido pelo país no ano de 2015″. O governo só decidiu sentar à mesa com a entidade e demais representantes dos caminhoneiros depois que a paralisação havia começado.

    Fonte: The Intercept Brasil

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Post Top Ad

    ads

    Post Bottom Ad

    Info Drive