Header Ads

  • Últimas

    Coreias prometem assinar acordo de paz para acabar com guerra ainda neste ano


    Países também concordaram em trabalhar pela desnuclearização da península. Líderes tiveram encontro histórico e fizeram declaração conjunta.

    Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, e Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul, tiveram um encontro histórico nesta sexta-feira.

    O líder norte-coreano Kim Jong-un e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, protagonizaram um encontro histórico, na manhã desta sexta-feira (27), em Panmunjon, província de Gyeonggi, na Coreia do Sul. Na ocasião, ambos se comprometeram a trabalhar pela paz em toda a península.

    Kim Jong-un cruzou a fronteira e foi recebido por Moon Jae-in com um sorriso e um caloroso aperto de mão. Antes de prosseguirem para a Casa da Paz, no lado sul coreano, o ditador coreano convidou o presidente do sul a pisar no lado norte.

    Foi na Casa da Paz onde foi assinado o armistício de fim da Guerra da Coreia, em 1953. Na ocasião, os dois lados assinaram um cessar-fogo, mas não um tratado de paz. Logo, essa guerra nunca teve, efetivamente, um fim.

    Promessa de recomeço

    Antes de começarem a cúpula desta sexta-feira, Kim disse que desejava manter francas discussões para as questões atuais e chegar a um bom resultado para ambas as Coreias.

    "Queremos um novo começo", comentou o líder norte-coreano, segundo o jornal inglês The Guardian . "Levou 11 anos para que esse momento histórico acontecesse", disse o líder norte-coreano, que inclusive afirmou que se perguntou o por que dessa demora. O ditador disse ainda que pretende avançar nos acordos e "não voltar à estaca zero novamente".

    Do lado sul-coreano, Moon declarou que "espera que o mundo inteiro preste atenção à primavera que se espalha pela península coreana".  Para o presidente, "as pessoas ao redor do mundo têm grandes esperanças".

    Ele destacou também que a visita de Kim faz da linha de demarcação militar um símbolo da paz e não mais da divisão. "Eu agradeço muito pela sua coragem. Nosso diálogo e conversas hoje serão muito francos. Finalmente teremos o diálogo que não pudemos ter na última década", disse o presidente.

    Reunião histórica

    Na cúpula, os dois líderes assumiram o "compromisso de completar a desnuclearização da Península Coreana", além de reduzir arsenais convencionais para diminuir as tensões militares e fortalecer a paz. O pacto vai substituir o armistício de 1953.

    "Estamos há muito tempo esperando e, agora, percebemos que somos uma nação, que somos próximos", afirmou Kim ao comentar a assinatura da declaração conjunta. "Estamos ligados pelo sangue e nossos compatriotas não podem viver separados", acrescentou.

    De acordo com o documento, "o Norte e o Sul vão cooperar ativamente para estabelecer um sistema de paz permanente e estável na Península Coreana".

    "Os dois líderes solenemente declararam ante 80 milhões de coreanos e todo o mundo que não vai haver mais guerra na península da Coreia e que uma nova era de paz começou", diz o texto.

    No encontro, que durou cerca de duas horas, ambos "falaram sobre a desnuclearização, estabelecimento da paz na península e sobre melhoria nas relações" bilaterais, informou o porta-voz da presidência sul-coreana, Yoon Young-chan.

    Além disso, Kim e Moon Jae-in decidiram organizar um encontro entre as famílias separadas desde o fim da guerra, há 65 anos, mantendo o programa "por ocasião do Dia de Libertação Nacional em 15 de agosto deste ano", quando é comemorada a rendição do Japão ao final da Segunda Guerra Mundial.

    Após as discussões na cúpula desta sexta, Kim ainda disse que ambos os líderes haviam concordado em coordenar de perto o processo de paz para garantir que não ocorra uma repetição da "história infeliz" da região, na qual os progressos anteriores "fracassaram".

    As duas Coreias concordaram também que Moon Jae-in visitará Pyongyang no próximo outono.

    "Plante paz e prosperidade"

    Durante o encontro histórico, Kim Jong-un e Moon Jae-in plantaram na zona desmilitarizada um pinheiro, nascido em 1953, ano em que foi assinado o cessar-fogo entre os dois países. Na base da árvore foi colocada uma pedra com os nomes dos líderes, com os dizeres: "plante paz e prosperidade".

    Fonte: Último Segundo

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine