Header Ads

  • Últimas

    Presa quadrilha especializada em adulteração e falsificação de cervejas na Grande BH


    A média era de aproximadamente mil engradados distribuídos por semana pelo grupo. A estimativa é que o grupo faturava cerca de R$ 100 mil no mesmo período.

    Uma denúncia anônima levou a Polícia Civil investigar uma quadrilha especializada em adulteração de cerveja na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O grupo pegava garrafas de marcas da bebida que têm preços mais baixos no mercado, trocavam os rótulos e as tampas por materiais falsificados com emblemas de outras marcas famosas e mais tradicionais. Em média, o ganho por cada engradado, segundo as investigações, eram de R$ 80. A média eram de aproximadamente mil engradados distribuídos por semana. A estimativa é que o grupo faturava cerca de R$ 100 mil no mesmo período.

    Policiais do 5º distrito da Polícia Civil de Contagem iniciaram a investigação para chegar uma denúncia de uma quadrilha especializada em adulteração das garrafas de cerveja. Diante dos dados repassados, equipes ficaram de prontidão nas proximidades das Fazenda Santa Rita, no Bairro Liberdade, e flagraram a ação do grupo. “Fizeram campana para ver a movimentação. Era uma fazenda,  um lugar realmente afastado. Chamou a atenção dos policiais aquela movimentação de carretas, empilhadeiras, e grandes volumes de engradados de cerveja que foram avistados”, afirma o delegado Christiano Augusto Xavier Ferreira . Diante das evidências, os policiais seguiram até o local e encontraram com nove funcionários trabalhando na fábrica clandestina. Sete pessoas foram presas e outros dois conseguiram fugir.

    De acordo com o delegado, os criminosos agiam da seguinte forma. Eles adquiriam engradados de cerveja de uma marca de menor valor de mercado, que custavam em média R$ 36. Em seguida, trocavam a tampa e os rótulos por outros falsificados por marcas mais caras, cujo engradado custa em média R$ 100 a R$ 120. “A função era distribuída em três etapas. Primeiro chegavam com o carregamento, que seria dois por semana, aproximadamente mil engradados por semana eram adulterados e distribuídos na região de Contagem. Quando chegava o carregamento, levava as garrafas e retirava os rótulos, depois retirava a tampa e colocavam outra, de marcas diferentes”, explicou Christiano Xavier. As investigações apontaram que o líquido não era adulterado, somente as tampas e os rótulos.

    Na fazenda, foi apreendido todo maquinário utilizado na falsificação e na adulteração das garrafas, além de mais de mil  Além disso, foram encontrados tecidos, roupas, semijoias e outras máquinas que a polícia investiga se é produto de receptação.

    A propriedade 

    Um homem considerado um dos líderes do bando alugou a fazenda para os crimes. Porém, enganou o proprietário. “A fazenda teria sido locada para produzir cerveja artesanal. Criaram uma história cobertura para transparecer, inclusive para o proprietário da fazenda, que aquela situação seria lícita”, disse o delegado Pedro Vieira. Os trabalhadores flagrados fazendo a falsificação das bebidas confirmaram que foram contratados o serviço e que aceitaram porque estavam precisando do dinheiro.

    Segundo as investigações, eles vivam em situação degradante e ganhavam pouco pelo serviço. “Essas pessoas dormiam na fazenda durante a semana em condições bastante degradante. Não tinha geladeira, cozinha, viviam com pão e café.  Todos os dias trabalhavam exaustivamente para ganhar um valor irrisório”, comenta o delegado Christiano Xavier. Os funcionários que limpavam a garrafa e retirava as tampas ganhavam um real. Já os que rotulavam recebiam dois reais. Os valores eram pagos pela venda dos engradados.

    Fonte: Estado de Minas

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine