Header Ads

  • Últimas

    ALERTA: Idosos têm que correr para não ficarem sem assistência

    Quem não se recadastrar até dezembro pode perder o Benefício de Prestação Continuada em 2018


    Duas assistentes sociais de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, chegaram à casa de dona Maria das Graças do Carmo, 66, no bairro Homero Gil, e a avisaram que ela precisava fazer a inscrição no Cadastro Único (CadÚnico) para continuar recebendo o Benefício de Prestação Continuada (BPC) de um salário mínimo, do governo federal. Caso ela não o fizesse, ficaria sem a ajuda mensal a partir do próximo ano. “Tá doido, eu não posso ficar sem isso, não. Já é pouco dinheiro”, reagiu ela, de imediato, contando que usa o dinheiro para comprar comida, remédios e ajudar a filha e os três netos. Assim como dona Maria das Graças, milhares de idosos podem perder o BPC por desconhecer a nova exigência.

    Apesar de ser um programa nacional, a Prefeitura de Betim e outras gestões municipais estão fazendo busca ativa nas casas para alertar os idosos. O prazo dado para isso foi de um ano, iniciado no princípio de 2017, a terminar em 31 de dezembro próximo, mas muita gente ainda não se regularizou.

    Em Belo Horizonte, até a última semana, do total de 15.097 idosos beneficiários do BPC, apenas 2.261 tinham realizado o cadastro. Em Betim, dos cerca de 2.000 idosos, apenas 658 realizaram o CadÚnico. “O governo fez essa alteração e não comunicou aos idosos, saiu no ‘Diário Oficial da União’ o Decreto 8.805 de julho de 2016, mas ninguém lê. Vários municípios estão tendo dificuldade com esse chamamento da população”, afirmou a secretária municipal de Assistência Social de Betim, Fabiane Quintela.

    Ela acredita que o resultado seria melhor se o governo tivesse alertado os idosos na “prova de vida” – quando eles comparecem ao INSS anualmente para recadastrar a senha e comprovar que continuam vivos. “Mas não há um interesse do governo federal nisso”, aponta. De acordo com ela, o governo federal não divulgou adequadamente a obrigatoriedade da inscrição no CadÚnico para manter o benefício previsto na Lei Orgânica da Assistência Social (Loas).

    Assistência. Os idosos que deixarem de receber o benefícios serão um gasto a menos para a Previdência Social, mas, sem a renda mensal, acabarão onerando os municípios em áreas como assistência social e saúde.

    “Muitos (idosos) precisam desse dinheiro para sustento deles e da família”, disse Fabiane. Ela lembrou que a pasta da Assistência Social é sobrecarregada. “Da certidão de nascimento à taxa de sepultamento, tudo é feito na secretaria. Atendemos violação de direitos, restaurante popular, abrigos...”, explicou.

    A previsão é que o governo federal corte em 97% os recursos da assistência social em 2018.

    Fonte: O Tempo

    Nenhum comentário

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Info Drive