Headlines
Título do Artigo:
Escrito por Moderador

Empresa norte-americana iniciará os ensaios para “reviver mortos” na América Latina




A Bioquark, uma empresa com sede em Filadélfia, anunciou no final de 2016 que acredita que a morte cerebral não é “irreversível”.

Segundo o CEO, Ira Pastor, em breve será testado um método de células-tronco em pacientes em um país não identificado na América Latina. A confirmação ocorrerá nos próximos meses. Para ser declarado oficialmente morto na maioria dos países, é preciso ter a perda completa e irreversível da função cerebral, ou “morte cerebral”. De acordo com Pastor, o Bioquark desenvolveu uma série de injeções que podem “reiniciar” o cérebro – e eles planejam experimentá-lo em seres humanos este ano. Eles não têm planos de testes em animais.

Inicialmente, Pastor e seu colaborador Himanshu Bansal, cirurgião ortopedista, planejaram realizar os primeiros testes na Índia. Dias depois de anunciarem suas ambições, o plano foi bloqueado pelo Conselho indiano de Pesquisa Médica, instando a dupla a fazer suas provas em outro lugar. No entanto, os detalhes do registro do estudo deram ao público uma ideia de como eles planejam se aproximar dos testes. O primeiro estágio, chamado “Primeiro em Neurorregeneração Humana e Neurorreanimação”, deveria ser um estudo de “prova de conceito” de um grupo não aleatorizado.

A equipe disse que planejava examinar indivíduos de 15 a 65 anos declarados mortos por uma lesão cerebral traumática, a fim de procurar possíveis sinais de reversão da morte. Especificamente, eles planejaram dividi-lo em três estágios. Primeiro, eles colheriam células-tronco do próprio sangue do paciente e as injetariam de volta ao corpo. Em seguida, o paciente receberia uma dose de peptídeos injetados na medula espinhal. E finalmente, eles passariam por um curso de estimulação nervosa de 15 dias envolvendo laser e estimulação nervosa mediana para tentar reverter a morte cerebral, enquanto monitorizava os pacientes usando varredura de MRI.

A ideia de consentimento neste contexto é complicada, já que todos os pacientes estão tecnicamente mortos. No entanto, a definição de morte também é mais complexa do que era. Confirmar a morte costumava ser direto: quando o coração parava de bater, uma pessoa não respondia e não mais respirava, estava morta. Agora é mais complexo, já que temos formas mais avançadas de manter o oxigênio no corpo, mantendo o funcionamento do tronco cerebral, por exemplo.Isso significa que a maioria dos países hoje, incluindo os EUA e o Reino Unido, identifica a morte como perda permanente da função do tronco encefálico.

“A missão do Projeto ReAnima é se concentrar em pesquisas clínicas no estado de morte cerebral ou coma irreversível, em sujeitos que recentemente cumpriram os critérios da Determinação Uniforme de Mortes, mas que são ainda em suporte cardiopulmonar ou trófico – uma classificação em muitos países do mundo conhecida como “cadáver vivo”, disse Pastor em entrevista ao Mail Online no ano passado.

Fonte: Daily Mail
Tradução: Jornal Da Ciência

Mais Informações

Postado por Moderador às 17:07. Marcadores , , . Assine Grátis nosso Feed RSS 2.0. e receba notícias em seu e-mail

Por Moderador às 17:07. Marcadores , , . Todos os artigos Possuem Licença Creative Cummons 6.0. Cópias são permitidas somente citando a fonte com Link

0 comentários for "Empresa norte-americana iniciará os ensaios para “reviver mortos” na América Latina"

Leave a reply

INFO DRIVE

Rádio Vitrine Santa Luzia

Publicidade