Header Ads

  • Últimas

    Mau Exemplo: MP libera contratação sem concurso, enquanto obriga prefeituras a atender a exigência




    Deputados aprovam em segundo turno o projeto que cria cargos sem concurso público no MP de Minas. Votação aconteceu em reunião extraordinária realizada no final da tarde desta segunda-feira. O placar foi de 53 votos a quatro. Por 53 votos a quatro, os deputados estaduais aprovaram na tarde desta segunda-feira o Proleto de Lei 4.361/17, que extingue 825 cargos efetivos e cria outros 800 de recrutamento amplo no Ministério Público de Minas Gerais. Para virar lei, o texto depende agora apenas da sanção do governador Fernando Pimentel (PT).

    Curiosamente o próprio Ministério Público é um dos órgãos que mais exigem da Gestão Pública, a assinatura de TACs (Termos de Ajustamento de Conduta) visando a contratação de funcionários apenas através de concurso. Aqui em Santa Luzia, foram pelo menos quatro ações do órgão contra o executivo, obrigando-o a realizar concursos públicos para cadastro de reservas apenas para cumprir determinação. Ao justificar a necessidade do projeto, o sub-procurador geral do MP, Rômulo Ferraz, disse que os benefícios dos servidores concursados,  legítimos segundo ele, fazem com que a folha de pessoal tenha um crescimento vegetativo de 16% a 18% ao ano, o que dificulta a situação financeira da instituição. A Alegação do Ministério Público é a mesma dos Prefeitos e gestores que vêem na iniciativa privada (terceirização de serviços) um melhor Custo benefício. Em Santa Luzia, por exemplo, os custos com a contratação de terceirizados proporcionou à Prefeitura manter as contas em dia. Mesmo com eficiência comprovada, o MP impetrou várias ações contra o executivo nos últimos anos obrigando-o a realizar concursos, mesmo que a contratação de concursados lesasse os cofres públicos e significasse menor eficiência com folha.

    A proposta começou a tramitar na Assembleia Legislativa em 8 de junho, e na semana passada foi aprovada em primeiro turno por 50 votos a zero.

    Para agilizar a tramitação da proposta, a direção da Casa convocou para a tarde desta segunda-feira uma reunião extraordinária.

    João Leite (PSDB), Elismar Prado (PDT), João Vitor Xavier (PSDB) e Fabiano Tolentino (PPS) foram os únicos a votar contra o texto.

    Servidores do MPMG acompanharam a votação nas galerias.

    Questionado sobre como o MP vai atuar para barrar contratações sem concurso no serviço público, como sempre fez, depois de defender esse projeto, Ferraz afirmou que são situações diferentes.


    Ele afirmou ainda que o MP sempre atuou contra prefeituras que não tinham plano de carreira e contratavam por indicação política.

    Com Informações do Portal Estado de Minas

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine