Header Ads

  • Últimas

    Dono da JBS grava conversa com Michel Temer em que disse ao presidente que paga pelo silêncio de Eduardo Cunha

     

    Segundo delatores, dinheiro para Cunha era entregue a homem de confiança de Temer. Dono da JBS usou gravador escondido no paletó.

    Os delatores da JBS tinham nas mãos conversas gravadas do empresário Joesley com o presidente Temer, além de um histórico de propinas distribuídas a políticos nos últimos dez anos. Essas conversas foram gravadas em março. Segundo o jornal O Globo, o dono da JBS usou um gravador escondido no bolso do paletó.
    Para que nada vazasse, ainda segundo o jornal, a Procuradoria Geral da República adotou procedimentos pouco usuais. Na hora de prestar os depoimentos, os delatores entravam pela garagem da sede da Procuradoria em carros particulares e subiam para as salas sem serem identificados na portaria.
    A reportagem mostra que, segundo os delatores, o dinheiro para Cunha era entregue a Altair Alves Pinto, seu homem de confiança.
    Na conversa gravada, Joesley pediu a ajuda de Temer para resolver uma pendência da J&F no governo. Temer disse que Joesley deveria procurar Rodrigo Rocha Loures, do PMDB, para cuidar do problema.
    Temer disse: “Fale com o Rodrigo”.
    Joesley Batista quis se certificar do que Rocha Loures poderia fazer por ele e perguntou:
    “Posso falar tudo com ele?”. E Temer respondeu: “Tudo”.
    Ainda segundo a reportagem, Rocha Loures é um conhecido homem de confiança do presidente. Foi chefe de relações institucionais da vice-presidência sob Temer. Após o impeachment, virou assessor especial da Presidência e, em março, voltou à Câmara, ocupando a vaga do ministro da Justiça, Osmar Serraglio.
    A reportagem do jornal O Globo, na internet, mostra também que Joesley relatou que Guido Mantega era o contato dele com o PT. Segundo Joesley, era com Mantega que o dinheiro de propina era negociado para ser distribuído aos petistas e a aliados. Mantega, segundo a reportagem, também operava os interesses da JBS no BNDES.
    Joesley revelou também que pagou R$ 5 milhões para Eduardo Cunha após a prisão dele, valor referente a um saldo de propina que o peemedebista tinha com ele. Joesley disse ainda que devia R$ 20 milhões pela tramitação de lei sobre a desoneração tributária do setor de frango.

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine