Header Ads

  • Últimas

    Bebê Luziense com doença rara terá tratamento especializado em São Paulo


    Trancado no Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte, praticamente desde que nasceu, o pequeno Pedro Henrique Janneu Moreira deverá comemorar os seis meses de vida, no próximo dia 20, em São Paulo. Ele será transferido para continuar o tratamento da doença rara que tem no intestino (aganglionose), que acomete um a cada cem mil nascidos.

    Segundo o pediatra que acompanha o bebê no Sofia Feldman, Felipe Dutra, o Ministério da Saúde viabilizou o tratamento no Hospital Infantil Menino de Jesus, que tem parceria com o Sírio-Libanês, uma das principais referências em serviços de saúde no país.

    Apesar da necessidade já diagnosticada de um transplante, no primeiro momento haverá a tentativa de reabilitação da criança sem a operação. A ideia, segundo Dutra, é a de que Pedro possa continuar o tratamento em casa. “Esse hospital terá condições de manter a alimentação por via venosa por um período”, afirma. Isso significa, na prática, mais uma luta para a família: a da mudança para São Paulo. “Estou com muito medo porque vou ter que ir sozinha com ele e nunca fui para lá”, desabafa a mãe, Célia Carolina Janneu, de 29 anos.

    O marido dela, Neydivaldo de Sousa Moreira, de 37, terá que ficar em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, com a enteada Ester, de 11 anos.

    Necessidades
     
    Se tudo sair como o planejado, a menina e ele se mudarão para São Paulo nos próximos meses. Mas, para isso, Neydivaldo precisará de dinheiro e de um emprego por lá.
    É por isso que a campanha “Salvem o Pedro Henrique” agora deve ser ampliada. Se antes o foco era receber ajuda financeira para o procedimento médico, agora a família precisa de muito mais. Na lista entram, por exemplo, indicação de emprego para o pai do garoto, de casa para ser alugada, escola onde Ester possa estudar, entre outras coisas. “Trabalho como vigia, também tenho curso de mecânica. Mas aceito o que vier”, afirma Neydivaldo.

    E, graças à página no Facebook criada para a campanha, as colaborações têm surgido. “Já consegui uma casa para deixar as malas, oferecida por uma mulher que viu nossa história”, afirma Célia.
    Eles não sabem ao certo o dia que vão para São Paulo pois tentam conseguir um veículo apropriado e ajuda de custo por parte do governo, o chamado Tratamento Fora do Domicílio. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, é preciso fazer a solicitação para que o auxílio seja garantido, uma vez que não existe pedido no nome do bebê.

    Fonte: Hoje em Dia

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine