Header Ads

  • Últimas

    Arkansas executará 8 pessoas porque acha que é melhor matar do que deixar estragar a injeção letal



    Será a maior execução em série dos Estados Unidos desde a reinstauração da pena máxima, em 1977. Para o pequeno Estado de Arkansas, nos Estados Unidos, é melhor matar do que deixar estragar a injeção letal. Depois de 12 anos de interrupção da pena de morte, o governo local vai matar oito prisioneiros em um intervalo de apenas 10 dias. Será a maior execução em série nos Estados Unidos desde a reinstauração da pena máxima, em 1977. O motivo para eliminar a vida de tantos condenados em tão pouco tempo é, segundo a Coalizão para Abolir a Pena de Morte do Arkansas, evitar que se perca a validade um dos três componentes da injeção letal. O último estoque da substância, um ansiolítico de efeito rápido, expira em maio. E é extremamente difícil conseguir novos lotes, porque os fabricantes se recusam a fornecê-los para execuções. As ordens assinadas pelo governador Asa Hutchinson serão cumpridas entre 17 e 27 de abril. No corredor da morte de Arkansas há 34 condenados. Os oito escolhidos esgotaram todos os recursos legais. Todos são homens, metade negros. Cometeram os crimes entre 1991 e 2000.

    Hutchinson, um republicano que fez da pena de morte uma de suas bandeiras políticas, declarou que se trata de uma "ação necessária": "É preciso cumprir a lei, mas também é importante oferecer um desfecho às famílias das vítimas, que viveram na incerteza tanto tempo".

    A decisão do governador vai contra a corrente. Nos Estados Unidos a aplicação da pena capital, legalizada em 32 Estados, não para de cair desde 1999, o ano mais sangrento, com 223 execuções. Em 2016 foram 30. Esse declínio acontece paralelamente à perda de apoio da população. Nas últimas duas décadas, seus defensores não cessaram de recuar, a ponto de em 2016 pela primeira vez terem caído para menos de 50%, segundo levantamento da Pew Research.

    As situações grotescas a que chegaram algumas execuções ajudaram nessa mudança de tendência. Um dos casos mais terríveis foi o de Clayton Lockett, executado em abril de 2014. Em meio a convulsões atrozes, sua agonia durou 43 minutos. Um inferno em que o preso, amarrado ao leito, chegou a avisar os seus carrascos de que “alguma coisa não funcionava”.

    O pesadelo foi atribuído a uma falha na administração dos fármacos. Tradicionalmente a injeção letal, o método de execução mais empregado nos Estados Unidos, era composto por pentotal sódico (que faz adormecer), brometo de pancurônio (paralisa) e cloreto de potássio (provoca parada cardíaca). A primeira substância deixou de ser utilizada devido à resistência dos fabricantes. Seu substituto, o midazolam, é ligado a horrores como os sofridos por Clayton Lockett. E sua obtenção, segundo os grupos contrários à pena de morte, também começou a ficar restrita. Esse é o fármaco que está prestes a vencer em Arkansas. “Se o midazolam falha, o condenado permanece consciente e sofre uma dor imensa, é uma tortura letal e sem escapatória. Algo desumano”, afirmou o advogado de três dos presos.

    Esse terror terminal pode se repetir entre 17 e 27 de abril em Arkansas. Oito pessoas sabem disso. Seus nomes são Jason McGehee, Ledell Lee, Don Williamson David, Kenneth Williams, Bruce Ward, Stacey Johnson, Jack Harold Jones e Marcel Williams.

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Post Top Ad

    ads

    Post Bottom Ad

    Info Drive