Header Ads

  • Últimas

    Pai roda Brasil como homem-placa em busca de filho desaparecido

    Quem vê de longe o maranhense José Ribamar de Fátima Rodrigues, 60, andando pela Praça da Sé pode achar que se trata de mais um homem-placa ganhando a vida no centro de São Paulo.


    Mas a batalha diária seu José é outra, chegando mais perto da placa que carrega, na verdade duas folhas simples plastificadas, dá pra ver a foto de Cleilton, 29, um dos dez filhos de José, que desapareceu no início deste ano.

    Em 11 de março a família recebeu por telefone a notícia do sumiço de Cleilton. Na época o filho de seu José morava com um irmão em Guariba (a 340 km de SP) e sumiu após ter sido visto chorando no trabalho.

    Seu José esperou por 20 dias por notícias do filho, que sofre de depressão e esquizofrenia. Em abril, o homem que mantém com um salário mínimo a casa com oito pessoas, pediu um empréstimo de R$ 4.000 para procurar o filho pelo Brasil.

    Com ele, levou apenas uma mochila com documentos, algumas fotos da família, sete peças de roupa - nenhum agasalho para o frio -, um kit de higiene e o cartaz com as fotos do filho que carrega no peito e nas costas. Desde então José, que não tem parte do braço esquerdo, perdeu 15 kg e sofreu preconceito por acharem que era alguém tentando tirar proveito de sua deficiência ou mesmo um mendigo.


    Por onde passava, registrava boletins de ocorrência sobre o desaparecimento do filho, já que o Brasil não conta com um cadastro unificado de desaparecidos. Nas delegacias também enfrentou contratempos, diziam a ele que faltavam documentos para os registros ou mesmo que esperasse o filho voltar.

    Após muita procura conseguiu uma pista, um boletim de ocorrência registrado em 17 de março, em Araraquara, informava que haviam encontrado Cleilton. Chegando lá, seu José conversou com a funcionária do Centro de Atendimento à População de Rua que havia levado Cleilton à delegacia, ela disse a ele que seu filho estava desnorteado e que o centro doou uma passagem para que o rapaz fosse para São Paulo.

    Seu José questionou a atitude da mulher, já que, segundo o que ela informou e o quadro clínico de Cleilton, ele não estava em condições de seguir viagem. Sem muita escolha, o pai seguiu para São Paulo, confirmando na Rodoviária do Tietê que o filho havia desembarcado em 18 de março na capital.

    Desde então o senhor se fixou em São Paulo, onde conheceu outras famílias que buscam parentes desaparecidos. A busca de seu José segue, ele anda vários quilômetros por dia, muitas vezes enganando a fome e sede, focado principalmente na Praça da Sé e da Luz, grandes pontos de concentração de moradores de rua.

    Algumas delegacias, como a 2ª Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas divulgam, pela internet, a foto da pessoa desaparecida que for enviada ao departamento policial.

    Via Catraca Livre

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine