Header Ads

  • Últimas

    Internacional é rebaixado para a Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro


    É oficial: o Sport Club Internacional está rebaixado e disputará a Série B do Brasileirão pela primeira vez em sua história!

    Internacional disputará a segunda divisão em 2017, caminho já trilhado por clubes como Palmeiras, Corinthians, Vasco e seu grande rival, o Grêmio

    Acabou. Os erros de um ano inteiro levaram o Inter ao rebaixamento. O clube comandado por Vitorio Piffero agora pertence à segunda divisão. O Inter trocará de turma em 2017, passando a conviver com ABC, Luverdense, Ceará, Brasil-Pel, Juventude, Paysandu, entre outros em busca de ascensão. O imponente Beira-Rio se tornará atração turística na Série B. A confirmação do descenso chegou no subúrbio carioca, o Estádio Giulite Coutinho, a casa do America, um cenário de segunda e com o Inter repetindo o mau futebol de uma temporada inteira.


    O empate em 1 a 1 com o Fluminense foi o último e deprimente capítulo do pior ano da centenária história colorada. O Milagre de Mesquita não aconteceu, o Inter precisava pelo menos vencer a sua partida. De novo, não conseguiu. E, assim, o Apocalipse em vermelho não foi adiado. 

    O cenário para o clássico não poderia ser pior. A cidade de Mesquita tem ruas estreitas, feias, sujas, com gatos por todos os lados nos postes de luz e um ambiente hostil. Parece uma zona de guerra. O campo do America é modesto, porém, simpático. Mas longe, muito longe da importância do jogo. O Inter encarou um palco de Série B para decidir o seu futuro. E sob um calor escaldante, com sensação térmica na casa dos 40° C, com um mormaço que deixaria Porto Alegre em janeiro parecendo o paraíso.

    Assim que o Inter entrou em campo para o aquecimento — com números pretos às costas, em homenagem às vítimas do voo da Chapecoense -, foi recebido aos gritos de "ão, ão, ão, segunda divisão". Com pouca gente no estádio ( um total de 3.847 torcedores), qualquer grito de incentivo dos colorados era imediatamente rebatido pelos cariocas, com o mesmo xingamento direcionado ao time de Lisca: ão, ão, ão, segunda divisão. Os cerca de 500 bravos colorados reagiram e devolveram assim para a torcida do Fluminense: ão, ão, ão, terceira divisão — em referência à queda do clube para a Série C, em 1998. E os cariocas retrucaram: "Grêmiooo, Grêmioooo, Grêmiooooo". E assim foi a tarde inteira. E foi assim até mesmo no primeiro segundo depois do minuto de silêncio, em respeito às vítimas de Chapecó.

    Então foi hora de a bola rolar. O Fluminense leve, sem nada mais a fazer no Brasileirão. O Inter, jogando o futuro e o seu orgulhoso patrimônio de Série A. Logo a dois minutos, Vitinho invadiu a área e passou para Valdívia. O gol parecia certo, mas o cabeludo atacante não dominou a bola e, quando conseguiu se ajeitar, bateu rente à trave, para fora.

    Não demorou para que o Fluminense passasse a dominar o Inter. Danilo Fernandes salvou, aos 13 minutos. Nem mesmo o sanguíneo Lisca parecia reagir. Estava sentado no banco de reservas, em vez de ficar aos berros na área técnica, como de costume. O Inter parecia aceitar passivamente o seu destino. E já chovia quando Vitinho cobrou uma falta frontal na arquibancada, perto de um torcedor que segurava uma enorme letra "B".

    Aos 42 minutos, a defesa falhou pela direita, Henrique Dourado cruzou e Alex derrubou Richarlison. Pênalti. Richarlison cobrou e Danilo Fernandes, jogando com as luvas em homenagem ao goleiro da Chapecoense, Danilo, defendeu no canto direito. Um pequeno milagre no subúrbio.

    — Essa defesa foi para o Danilo — disse o goleiro colorado, no intervalo.

    O primeiro tempo chegou ao final com o Inter ainda vivo. Em Recife, o Figueirense empatava em 0 a 0 com o Sport e devolvia ao Inter o investimento de R$ 2 milhões de bicho extra para não perder na Ilha do Retiro — mais R$ 2,5 milhões bancando a folha salarial em atraso dos catarinenses, bem como a viagem a Pernambuco -, resultado que combinado à vitória colorada em Mesquita impediria a queda gaúcha. Mas o Inter também empatava em 0 a 0.

    O Fluminense voltou para o segundo tempo com o goleiro reserva, Marcos Felipe, uma vez que o titular, Júlio César, sentiu a coxa. Obrigado a vencer, o Inter se atirou ao ataque. Quase levou um gol aos dois minutos, em contra-ataque de Wellington. Aos 10 minutos em Mesquita, gol do Sport em Recife. A torcida do Fluminense, então, se ergueu em uníssono: "ão, ão, ão, segunda divisão" e "arerêêê, o Inter vai jogar a Série B". E os jogadores colorados ouviram e viram a sua torcida se calar. De nada adiantava pagar o Figueirense se o próprio Inter não conseguia vencer a sua decisão.

    Aos 26 minutos, Douglas arrisca de dentro da área, a bola desvia nas costas de William e engana Danilo Fernandes. O rebaixamento do Inter chegou às 18h30min desse domingo, na Baixada Fluminense. Porque com a derrota em Mesquita, nem mais interessava saber quanto acabaria o jogo entre Sport e Figueirense. Aos 43, Gustavo Ferrareis chegou a empatar a partida, o que não serviu para absolutamente nada. 

    A temporada 2016 ficará marcada pelo entra-e-sai no departamento de futebol, que teve: Vitorio Piffero, Carlos Pellegrini, Marcos Marino, Argel Fucks, Paulo Roberto Falcão, Fernando Carvalho, Ibsen Pinheiro, Newton Drummond, Celso Roth e Lisca — esse último, contratado para treinar o time a três jogos do fim.

    O Inter terá a chance de recomeçar, agora possivelmente sob o comando do técnico Antônio Carlos Zago, e poderá ficar apenas um ano na Série B. Mas o rebaixamento em 11 de dezembro de 2016 será eterno.

    Fonte: Zero Hora

    Um comentário:

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine