Header Ads

  • Últimas

    Homens são condenados por produção e distribuição de vídeo de sexo explícito com novinha


     O juiz de Direito Carlos Roberto Rosa Burck, da 1ª Vara Criminal de Cacoal, condenou Diógenes de Oliveira Silva e Eduardo Henke Novaes a quatro e três anos de reclusão, respectivamente, por produzir e distribuir vídeo pornográfico envolvendo menor de idade. Apesar da sentença, o magistrado substituiu as penas privativas de liberdade por restritivas de direito.

    Cabe recurso da decisão.

    O Ministério Público (MP/RO) alegou que, no dia 15 de outubro de 2014, por volta das 13h50, na Linha 8, Zona Rural de Cacoal, no interior de um veículo automotor, Diógenes de Oliveira, livre e consciente, produziu/filmou cena de sexo explícito envolvendo a adolescente D.S.A.P, com 14 anos de idade à época.

    Segundo apurado nos autos de inquérito policial, Oliveira saiu com seu carro para dar uma volta acompanhado da vítima e de uma amiga desta, também adolescente. Eles se dirigiram para a Linha 08 e, durante o percurso, a vítima começou a fazer sexo oral no primeiro sentenciado, que registrou o momento por meio de seu aparelho celular.

    Mais adiante, entre os dias 15 e 20 do mesmo mês, por meio da internet e do aplicativo de celular, em horário não especificado, Eduardo Henke Novaes, de forma consciente e voluntária, divulgou o vídeo gravado pelo seu amigo.

    Henke, em posse do celular do primeiro de Diógenes, divulgou o vídeo no WhatsApp tornando-o público.

    “Com feito, o acusado Diógenes admitiu na fase judicial ter feito a filmagem do vídeo contendo sexo oral com a menor, o que, independente de ter gravado a pedido da vítima, caracteriza o tipificado no artigo 240 da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e Adolescentes)”, disse o juiz prolator.

    Logo em seguida, apontou:

    “Também o denunciado Eduardo confessou, na fase inquisitiva, ter enviado o vídeo do celular de Diógenes para um grupo do aplicativo WhatsApp, informação confirmada em juízo por Diógenes e pela vítima. Assim, não há que se falar em fragilidade probatória. Não há  qualquer indício que aponte no sentido contrário à autoria, restando-a evidenciada”, destacou Rosa.

    Por fim, o magistrado disse que, em que pese o esforço da defesa dos sentenciados, a manobra adotada para contrapor a versão acusatória em relação a Eduardo Henke não se sustenta. Isso porque, o acusado quando ouvido na fase inquisitorial, sequer  mencionou que pretendia, em verdade, era enviar o vídeo para o próprio celular e, por equivoco, acabou mandando para grupos do WhatsApp. Em verdade, a intenção do acusado foi a de divulgar o vídeo em redes sociais.

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine