Header Ads

  • Últimas

    Informação das 80 horas de trabalho é um equivoco de interpretação, Entenda!

    Como uma frase errada de um industrial, tirada de contexto, revoltou as pessoas com uma proposta sem sentido: trabalhar 12h de segunda a sábado e 8h no domingo.



    Você provavelmente leu que um importante representante da indústria, aliado do presidente interino Michel Temer, defendeu que a jornada de trabalho no Brasil tivesse 80 horas.



    Mas a informação está errada. Ou melhor, é a soma de várias informações erradas.

    O primeiro erro foi do presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Andrade.


    Logo depois de sair de um encontro com Temer, o presidente da CNI criticou em entrevista coletiva a redução da jornada de trabalho, proposta pelas centrais sindicais.
    Ele mencionou que a França aprovou a possibilidade de até 80 horas de trabalho por semana.
    Foi o primeiro erro: o máximo permitido na reforma trabalhista em discussão na França é a jornada de até 60 horas para algumas profissões.

    Aqui o que ele disse textualmente:
    Nós aqui no Brasil temos 44 horas de trabalho semanais. As centrais sindicais tentam passar esse número para 40. A França, que tem 36 horas, passou agora para 80, a possibilidade de até 80 horas de trabalho semanal e até 12 horas diárias de trabalho.

    O segundo erro foi da Agência Brasil, que reportou a entrevista de Andrade com o título “CNI defende carga de 80 horas semanais para trabalhador brasileiro”.


    A reportagem ficou no ar com o título errado durante 1 hora e 7 minutos até ser corrigida, mas foi o suficiente para causar um estrago.
    O efeito manada se espalhou por outros portais de notícias e incendiou redes sociais.

    Baseadas na informação errada, quatro grandes centrais sindicais emitiram uma nota dura contra o presidente da CNI, chamando a proposta das 80 horas de “provocação ao povo brasileiro”.

    Defensor da redução da jornada para 40 horas semanais e um dos líderes do Força Sindical, o deputado Paulinho da Força (SD-SP) ironizou a fala do presidente da CNI: “Ele está meio gagá. Você acha que a França vai sair de 35 para 60 horas semanais?”

    Paulinho disse que Andrade nunca defendeu o aumento da jornada de trabalho para a Força, alegando que “ele não teria coragem”.

    Aliado de Temer, Paulinho disse que, na reunião dos empresários, o presidente interino “deve ter ficado numa saia justa” porque se trata de “uma discussão fora de hora”.

    O que defende a CNI sobre jornada de trabalho:

    No documento “101 propostas para modernização trabalhistas”, a CNI trata apenas de medidas de flexibilização da jornada de trabalho, como a redistribuição da carga de 44 horas para cinco dias e não seis.

    Sindicalistas ouvidos pela imprensa apontaram que nunca discutiram aumento da jornada com a CNI, mas que a entidade é contra a redução da carga para 40 horas semanais defendida pelas centrais.

    De todo modo, os sindicalistas avaliaram que Robson Andrade erra ao usar o argumento da medida francesa porque, de acordo com eles, um eventual aumento da jornada não visa o crescimento econômico do país.

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine