Headlines
Título do Artigo:
Escrito por Moderador

Ex-feminista Que Já Mostrou Os Seios Agora se diz Religiosa e Contra Aborto

Ex-feminista Que Já Mostrou Os Seios Agora se diz Religiosa e Contra Aborto. Desiludida com o feminismo, a ex-ativista Sara Winter tenta recomeçar a vida em São Carlos (SP), mas sem protestos de topless em público. Aos 23 anos, a ex-líder brasileira do grupo ucraniano Femen mudou de postura e de opinião: “O feminismo é o movimento mais intolerante que já conheci”, afirmou. Mãe de um menino de 6 meses, a ex-militante agora é contra o aborto, temente a Deus e acredita que pode lutar pelos direitos das mulheres de uma forma mais coerente e menos agressiva. Para isso, pretende ingressar na política.



Em entrevista ao G1, Sara contou como ser mãe contribuiu para a mudança de pensamento e sobre os arrependimentos durante os anos de militância, entre eles o fato de ter abortado pela primeira vez. "Dentro dos grupos feministas é muito fácil encontrar Cytotec. Se você contar que está grávida, que não tem marido, inventar qualquer história, muito rapidamente você consegue pílulas abortivas", disse.
"Há pressão para o uso de drogas, para desconstruir a monogamia que, para o movimento, é instituição criada pelo patriarcado para fazer a mulher ser submissa. Você tem que ser a favor das drogas, de ideologias que levam as pessoas a se relacionarem com muitas outras pessoas ao mesmo tempo. Isso me chocou muito", completou a ex-ativista. O G1 ouviu três grupos feministas que discordam dessas afirmações (leia abaixo após  a entrevista).
Questionada por que o movimento é tão sedutor, Sara afirmou que a propaganda é forte, mas que a ideologia assusta. “Eu achei que o movimento fosse algo muito bonito, mas vi coisas que não têm nada a ver com o que as pessoas esperam. As feministas não toleram mulheres que não sejam de esquerda. Eu defino o movimento como ódio, histeria, mentira e sedução”, disse a ex-ativista.

Fora do Femen
Sara passou a defender a maternidade, o amor familiar, o entendimento e respeito mútuo entre homem e mulher após romper com o Femen em 2013. Na ocasião, a organização ucraniana afirmou que a brasileira “não respeitava a ideologia” do grupo e também a acusou de mentir e fazer “coisas desonestas”, como não realizar uma ação para a qual recebeu dinheiro da Europa.
Sara negou a acusação e contou que a relação foi agravada pelo fato de as orientações vindas de Kiev não terem sido cumpridas, como a pichação do símbolo do Femen no Cristo Redentor. Para ela, o movimento internacional começou com boas intenções, mas hoje está completamente corrompido.
A desilusão com o movimento que defende a igualdade de gênero fez com que Sara publicasse em dezembro do ano passado um livro digital de 50 páginas intitulado “Vadia, Não! Sete Vezes que Fui Traída pelo Feminismo”. Segundo ela, a obra lhe rendeu milhares de mensagens de apoio e centenas de desafetos. A ex-militante disse que sofre perseguição na internet e que já foi hostilizada. Confira na entrevista abaixo:

G1- O que a levou a ingressar no movimento feminista?
Sara - Minha vida não foi muito fácil, com histórico de prostituição e de violência na família. Passei por vários tipos de violência, inclusive sexual. Eu vi muitas amigas passarem por isso também e aí resolvi que eu queria de alguma forma exterminar todo o tipo de violência contra a mulher.

G1 - Quais foram os principais motivos que a levaram à desilusão?
Sara - Esse é o movimento mais intolerante que eu já conheci na vida. Ele só dá suporte para mulheres que seguirem uma cartilha específica: tem que ser de esquerda, não pode ser cristã, não pode ser heterossexual e tem que começar a desconstruir a sua estética. Se a mulher alisa o cabelo, se pinta, usa salto alto, tem que parar. Muitas vezes tem que deixar os pêlos crescer. Algumas mulheres se sentem confortáveis assim, outras não. Mas se você fizer, vai ter mais voz dentro do movimento. Então eles desconstroem a sua estética, a sua crença, a sua orientação sexual, o seu posicionamento político.

G1 - Por que o  movimento é tão sedutor?
Sara - Porque a propaganda que o movimento faz é linda. Eu ficaria muito feliz se o feminismo fosse exatamente como a propaganda que ele faz de si mesmo: meu corpo, minhas regras, todas as mulheres são fortes, são guerreiras, estão preparadas para tudo. Nós somos a favor da luta contra a violência a mulher, somos a favor que o estupro acabe. Qualquer cidadão de bem é a favor de todas essas coisas, mas o feminismo faz de uma maneira sensacionalista e exagerada e isso atinge as pessoas, principalmente jovens adolescentes.

G1 - E hoje como você define o feminismo no Brasil?
Sara - Eu definiria como ódio, histeria, mentira e sedução. Ódio porque não existe tolerância com ninguém que não concorde 100% com as pautas. Histeria porque em todo e qualquer ato que a gente vê estão cada vez mais desrespeitosos, estão pichando igrejas, quebrando santos, fazendo coisas de extremo mau gosto. Mentira porque ilude as meninas mais jovens falando que o feminismo é algo legal e revolucionário. E sedução porque tem essa ideia de que o feminismo vai te ajudar, mas quando chega lá não é nada disso.

G1 - Como a mulher pode se empoderar?
Sara - Eu acho que uma mulher pode se empoderar quando ela não escuta a opinião de ninguém para tomar as decisões da sua própria vida, seja de homens ou de mulheres feministas. Porque a mulher, na tentativa de se empoderar, ela acabou sendo escrava de outras ideologias. Para uma mulher ser empoderada, ela tem que ser dona de si mesma, agir sem medo.

G1 - Você se arrepende de ter feito parte desse movimento?
Sara - De alguns protestos sim. Em Belo Horizonte (MG), quebrei uma loja inteira e me arrependo muito porque sou contra a violência. Em outra ação, eu estava com uma ativista caracterizada de Jesus Cristo e a gente se beijava na cruz. Fiz um vídeo e pedi perdão a todos os cristãos porque percebi que ofender outras pessoas, raças, crenças e etnias não era o caminho para conseguir o que eu queria. Mas em geral não me arrependo da minha militância porque fiz de coração, achava mesmo que poderia mudar o mundo.

G1 – Hoje você sofre perseguição?
Sara - A perseguição que sofro hoje é infinitamente maior do que eu sofria. A cidade é um antro esquerdista, feminista por causa das universidades. Tenho muito mais medo agora do que antes. Nunca achei que tivesse que ter medo das pessoas que falam que vão proteger as mulheres. Essa perseguição acontece porque sei de tudo o que rola lá dentro, todas as estratégias de dominação mental, lavagem cerebral, de dinheiro, de organizações que financiam, e agora estou contando.

G1 – Como acha que as pessoas te vêem hoje?
Sara - As pessoas gostam muito mais de mim agora. Fiquei espantada com isso, principalmente com os cristãos que nunca achei que fossem me perdoar. Eu recebo muitas mensagens, cerca de 50 por dias nas minhas redes sociais. Dizem: ‘agora sim você representa a mulher brasileira’. Percebi que a minha militância fazia as a maioria das mulheres passar vergonha porque elas não querem ser representadas por uma menina louca, histérica, pelada gritando a favor do aborto. Elas querem que uma mulher represente os interesses como na saúde específica do corpo da mulher, na educação.

G1 - A maternidade contribuiu para a mudança de pensamento?
Sara - Muito, porque eu já vi tantas coisas ruins no feminismo e quando eu descobri que seria mãe falei e agora? Sentia a vida crescendo dentro de mim, tanto na minha alma quanto no corpo. Aí conheci muitos projetos pró-vida que acolhem mulheres que desistem de abortar e são acolhidas para levarem gestação até o final.

G1 – Quais valores quer passar para o seu filho?
Sara - Quero que saiba respeitar uma mulher. Quero criá-lo para que seja uma pessoa cordial e gentil, com valores de voluntariado. Quero criá-lo com base nos dez mandamentos da Bíblia. Eu acho que isso é muito importante, ainda que muitos valores tenham se perdido hoje em dia. Mas quero resgatar isso.

G1 - Como você se mantém financeiramente?
Sara - Com bastante dificuldade. Faço palestras e ganho R$ 10 de cada livro vendido na internet. Ainda não recebo a pensão do meu filho e o meu nome está sujo. Minha mãe me ajuda como pode, mas sou sozinha e tenho que pagar aluguel, conta de água e luz. Já vendi tudo o que tinha de valor para tentar quitar minhas dívidas. Tenho fé que uma hora isso vai melhorar.

G1 - Quais são os próximos passos?
Sara - Quero escrever um novo livro contando experiências de ex-feministas que saíram do movimento e foram perseguidas. Também quero ingressar na política, sonho que tenho desde criança. Quero combater a violência contra a mulher e propor melhorias na área da saúde e educação. Sei que na política posso fazer algo de uma maneira mais substancial, melhor do que ficar protestando na rua com os peitos de fora.

Drogas e aborto
Em relação ao fácil acesso sobre as pílulas abortivas citadas por Sara Winter, o Movimento Mulheres em Luta declarou que nem todos os movimentos são iguais. “Defendemos a legalização do aborto para que a mulher decida sobre seu corpo. Queremos que ele seja feito pelo SUS [Sistema Único de Saúde] para acabar com um comércio clandestino muito lucrativo. Não somos hipócritas, não precisa ser de um grupo feminista para ter acesso a medicamentos abortivos, basta abrir a internet para encontrar formas de comprar. Isso não precisaria existir se houvesse políticas públicas de educação sexual, acesso a contraceptivos e, sobretudo, a legalização do procedimento”, disse Marcela Azevedo, da executiva nacional.
Cibele Ferreira, representante do coletivo Juntas, de São Carlos, diz desconhecer a prática dentro dos grupos feministas. “O movimento luta justamente para que seja responsabilidade do Estado garantir amplo acesso das mulheres à informação, a métodos contraceptivos e ao aborto seguro na rede pública de saúde. Sendo o Cytotec proibido no Brasil, é difícil imaginar que essas mulheres tenham fácil acesso a esse medicamento. Este tipo de declaração ignora as diversas razões de uma mulher que recorre ao aborto e é uma tentativa de deslegitimar a luta por este direito", declarou.
Já o grupo Promotoras Legais Populares de São Carlos afirmou desconhecer a pressão para a utilização de drogas, para desconstrução da monogamia, doutrinação religiosa ou qualquer outra afirmação a partir de uma experiência de vida. “É necessário que apresente publicações oficiais que isso de fato é o posicionamento dos movimentos feministas de uma forma geral. O movimento feminista, em nossa visão e como militamos, defende a inclusão das mulheres em todos os âmbitos, como na educação, saúde, trabalho, política, etc. Neste argumento, entendemos que as mulheres podem e devem escolher como vivem, se querem ter filhos ou não, se querem casar ou não, e para isso precisamos ter instrumentos para tomadas de decisões. Existe uma diversidade de mulheres em nosso país e no mundo, e devemos primeiramente respeitar esta diversidade”, disse a coordenadora, Raquel Auxiliadora.

Fonte: G1

Fotos de Sara Winter nua, Fotos de Sara Winter pelada, Sara Winter nua, Sara Winter pelada, Sara Winter femen, Sara Winter video, Sara Winter vídeo íntimo, Sara Winter feminismo, ensaio de Sara Winter nua, Sara Winter evangélica, Sara Winter sem roupa

Mais Informações

Postado por Moderador às 20:18. Marcadores , , , , , , . Assine Grátis nosso Feed RSS 2.0. e receba notícias em seu e-mail

Por Moderador às 20:18. Marcadores , , , , , , . Todos os artigos Possuem Licença Creative Cummons 6.0. Cópias são permitidas somente citando a fonte com Link

0 comentários for "Ex-feminista Que Já Mostrou Os Seios Agora se diz Religiosa e Contra Aborto"

Leave a reply

INFO DRIVE

Rádio Vitrine Santa Luzia