Header Ads

  • Últimas

    Depois de 22 anos abandonado, teatro cinquentenário de Santa Luzia é recuperado pela Prefeitura

    Do cenário de completo abandono da construção que estava prestes a ruir à reforma ainda que tardia. O clamor por socorro dos moradores de Santa Luzia, na Grande BH, foi atendido e o único teatro municipal volta a abrir as cortinas na próxima sexta-feira, data em que a cidade completa 324 anos.



    Mais do que um presente de aniversário, a revitalização salva um patrimônio cinquentenário e projeta novos ares para a cultura local. Por mais de duas décadas, a construção neocolonial ficou fechada, acumulando mofo e infiltrações.

    Desde 2011, o Hoje em Dia mostra a deterioração do espaço, que estava com as janelas e o telhado danificados, cadeiras quebradas e placas de gesso se soltando do teto. O descaso se tornou uma problema de saúde, com a presença de ratos, fezes de pombos e piolho.

    Modificações

    Iniciada em agosto, a obra custou R$ 1,5 milhão. Operários correm contra o tempo para ajustar os último detalhes antes da inauguração. A intervenção preservou os traços da antiga fachada, mas apresenta duas novidades: rampa de acesso para cadeirantes e nova pintura nas cores verde, azul e branca. O interior foi totalmente modificado.

    O piso da entrada, próximo à bilheteria, é de granito e na área do palco, de carpete. Em péssimo estado de conservação, os assentos originais de madeira darão lugar a poltronas almofadadas. Serão 300 lugares. O público também contará com ar-condicionado.

    Lembranças

    Nascida, criada e residente em Santa Luzia, a aposentada Maria do Carmo Oliveira, de 85 anos, lembra dos tempos áureos do imóvel. Dentre as apresentações que mais lhe marcaram está a de Orlando Silva, no fim da década de 1960. Segundo ela, o “Cantor das Multidões” fez um alerta na época. “Disse para nunca desmancharmos o teatro, que pertencia à nossa história”, recorda Maria do Carmo, conhecida na cidade como “Tia Preta”.

    Moradora da rua Direita, no Centro Histórico, onde fica o sobrado, a fisioterapeuta Maria Inez de Castro, de 72 anos, comemora a revitalização, mas chama a atenção para a necessidade de uso consciente e contínuo. “Santa Luzia carece de cultura e esse é um espaço do público. Não pode ser uma obra só para preservar o imóvel. Peças teatrais e outras apresentações precisam ser permanentes”, afirma Inez.

    Atual secretário de Cultura e Turismo, Carlinhos Novy garante que atividades serão rotineiras. Segundo ele, o objetivo é valorizar, principalmente, artistas e músicos locais. O espaço também deverá ser usado no aprendizado dos estudantes, por meio de aulas de educação patrimonial. “Nossa ideia é fazer uma parceria com a Secretaria de Educação para levar os alunos até o teatro. Lá, poderão ter aulas sobre a história de Santa Luzia”.

    História

    O sobrado de dois andares e 500 metros quadrados leva hoje o nome de Antônio Roberto de Almeida – ex-prefeito e homem de família tradicional.

    A construção foi erguida na década de 1960 e abrigou o Teatro Trianon, em estilo elisabetano. Chegou a ser adaptada para abrigar um cinema, mas foi demolida na década seguinte. A última reforma ocorreu há mais de 30 anos.

    O cronograma de atividades ainda está sendo planejado pela prefeitura; inauguração do teatro contará com entrega de comenda em homenagem ao aniversário da cidade e apresentações musicais.

    Fonte: Hoje em dia

    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine