Header Ads

  • Últimas

    Governo de Minas irá cortar R$ 70,1 Milhões de verba para a Policia Militar

    Governo de Minas irá cortar R$ 70,1 Milhões de verba para a Policia Militar. Na PM, a "economia" de R$ 70,1 milhões afetará combustível, manutenção de viaturas e até munição.



    Sem realizar até agora a anunciada reforma administrativa, que pretende cortar cargos e reduzir órgãos para gerar economia aos cofres públicos estaduais, o governo de Minas quer enxugar R$ 2 bilhões em despesas e custeio da máquina em 2016. O objetivo é reduzir o déficit estimado em R$ 8,9 bilhões para este ano. Apesar de o anúncio das medidas estar marcado para a próxima segunda-feira, num evento que deve reunir a cúpula do governo, o decreto está publicado desde nesta quinta no “Minas Gerais”.

    Para áreas consideradas prioritárias como segurança pública, meio ambiente e infraestrutura estão previstos cortes de quase R$ 700 milhões.

    Os anexos do Decreto 46.949, disponível no site da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), apontam que o governo Fernando Pimentel (PT) realizará cortes em custeio, investimentos e inversões financeiras (que também são investimentos). O decreto contempla apenas algumas fontes de recursos e grupos de despesa. Não estão incluídos, por exemplo, despesas de pessoal, de convênio e empréstimos, e ainda os recursos de emendas parlamentares.

    Na Polícia Militar, o corte previsto será de pelo menos R$ 70,1 milhões em custeio, impactando nos gastos com combustível, manutenção das viaturas, munição e outros insumos. O montante equivale a 31,78% do previsto no orçamento deste ano. Já na Polícia Civil, serão R$ 28,7 milhões a menos em 2016, o que representa um corte de 17,53%. No Corpo de Bombeiros, a taxa de segurança pública, atualmente responsável por uma arrecadação de R$ 7,6 milhões, terá nova destinação, que não fica clara no decreto. Isso significa que os recursos usados na manutenção de atividades como vistorias em prédios, análise de projetos e concessão de auto de vistoria deverão ser utilizados para fazer caixa ou repassados para cobrir despesas com pessoal.

    O mesmo deve acontecer com os R$ 9,4 milhões arrecadados com a taxa de incêndio, normalmente aplicada no compra de equipamentos, na capacitação e atualização de recursos humanos e na manutenção do Corpo de Bombeiros. Além disso, serão contingenciados outros R$ 4,7 milhões, o que corresponde a 15,2% do custeio.

    Na área ambiental, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) sofrerá corte de R$ 6,3 milhões, ou 12%, na utilização dos recursos hídricos, e de R$ 2 milhões, ou 100%, dos recursos da taxa de controle e fiscalização ambiental.

    Na Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), o corte será de quase 50% em custeio, o equivalente a R$ 6,3 milhões. Já o Fundo de Recuperação, Proteção e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas de Minas (Fhidro) sofrerá corte de 100% em investimentos nas bacias.


    Nenhum comentário

    Sejam Bem vindos ao Vitrine! Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seu autor. Não aceitaremos mais comentários anônimos. Caso queira dar sua opinião tenha uma conta no Google.

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Rádio Vitrine Santa Luzia

    Post Bottom Ad

    Política no Vitrine